Os problemas que o próximo governador de São Paulo terá de solucionar em mobilidade sobre trilhos

“Parceiros” de Geraldo Alckmin, João Doria e Márcio França se enfrentam no 2º turno da eleição para saber quem herdará as várias obras e projetos que estão parados ou em ritmo lento no Metrô e CPTM.

Estação Brás, uma das mais movimentadas de São Paulo: sistema-metrô ferroviário é um dos grandes desafios do próximo governador

Com o 1º turno da eleição encerrado neste domingo (8), dois candidatos ligados ao ex-governador Geraldo Alckmin conseguiram passar para o 2º turno da eleição para o governo do estado de São Paulo. Assumirão em janeiro uma longa lista de obras e projetos de mobilidade sobre trilhos iniciada em sua grande maioria pelo padrinho político.

Em comum, ambos receberão uma gestão na área de transportes com altos e baixos. Se levou muitos anos para concluir algumas obras importantes como a extensão da Linha 5-Lilás, parte da segunda fase da Linha 4-Amarela e a nova Linha 13-Jade da CPTM, vários projetos e obras inacabados e com perspectivas ruins, por culpa da crise econômica, operação Lava Jato e da burocracia brasileira.

Como irão tirar do papel tantas obras ou mesmo acelerar alguns projetos de modernização capazes de expandir a rede metrô-ferroviária para um patamar mínimo em que o transporte sobre trilhos passe a ser o principal modal da Grande São Paulo?

Inaugurada em 1991, a Linha 2-Verde teve sua expansão executada em várias fases até a chegada em Vila Prudente em 2010. O governo Alckmin licitou uma segunda fase que levará a linha até Guarulhos com mais 14 km e 13 estações, contratos foram assinados com os consórcios, porém, a ordem de serviço foi suspensa por falta de recursos – embora R$ 1,5 bilhão tenha sido obtido junto ao BNDES. A razão alegada foi a crise econômica que reduziu a receita do governo, além da operação Lava Jato, que afetou grandes empreiteiras como a Mendes Junior, uma das vencedoras desta licitação. A verba do BNDES foi repassada para a Linha 6-Laranja, restando ao atual governo sugerir que ela seja retomada como uma PPP, possivelmente desmembrada da atual Linha 2.

A segunda fase da Linha 4 segue em bom ritmo, com duas estações entregues e a terceira prestes a ser concluída. Faltará apenas a estação Vila Sônia, prevista para 2020 e que levará o ramal para perto de Taboão da Serra. Caberá ao próximo governador decidir se a terceira fase sairá do papel e que incluirá duas novas estações e a chegada ao município vizinho.

Mais precária na CPTM, a Linha 7-Rubi praticamente renovou toda a sua frota de trens este ano, com a adição das séries 8500 e 9500 mas ela ainda carece de modernização nas vias e reforma ou reconstrução de estações como Francisco Morato, cuja obra foi retomada este ano. O desafio aqui é tornar a viagem mais veloz e confortável para os passageiros que a acessam.

Além de obras de modernização de algumas estações, a Linha 8 pode ser alvo de uma concessão de operação pela iniciativa privada, projeto tocado pela gestão Alckmin em conjunto com a Linha 9-Esmeralda. A ideia é concedê-las em conjunto, mas a licitação ainda não está pronta e ficará a cargo do próximo governo, caso ele considere a ideia viável. A economia para os cofres públicos seria grande além da modernização de várias estações, segundo o governo.

Quando surgiu em 2009, o monotrilho substituiu um corredor de ônibus que chegaria até Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital. Mas até hoje a Linha 15-Prata funciona de forma precária, com quatro das seis estações em horário restrito e outras quatro estações próximas de serem concluídas. O problema é que os trabalhos estão lentos na parte de operação e parados nas obras até São Mateus. Talvez o próximo governador tenha que resolver esse abacaxi logo que assumir em janeiro. Quanto à chegada em Cidade Tiradentes, é outra história. Há todo um imbróglio para desapropriar e duplicar a avenida Ragueb Chohfi, por onde passarão as vias, além da própria licitação da obra.

O monotrilho da Zona Sul poderia ser uma linha fabulosa, ligando regiões carentes como Paraisópolis e Cidade Ademar com outros ramais, além de conectar o Aeroporto de Congonhas e de quebra ser uma alternativa perimetral para que usuários fossem da Zona Oeste para a Zona Sul e vice-versa. Mas tornou-se uma imensa dor de cabeça para o governo. Uma gestão caótica do Metrô e um consórcio problemático tornaram o projeto um grande monumento à ineficiência e descaso. Iniciada em 2012, a obra se arrasta com partes evoluindo e outras absolutamente paradas.

O futuro governador terá de decidir se rompe com o consórcio e chama o segundo colocado, mas nesse caso será preciso uma enorme adequação dos trens já que cada via de monotrilho é exclusiva para um modelo, ou tenta obrigar o atual a concluir os trabalhos. E isso se falar nas outras duas fases que estão congeladas e sem perspectiva de saírem do papel.

Curiosamente, o trem regional virou bandeira de vários candidatos, mas França e Doria certamente têm visões diferentes sobre ele. Só saberemos o resultado quando um dos dois assumir a cadeira do Palácio dos Bandeirantes no dia 1º de janeiro de 2019.

Fonte: www.metrocptm.com.br

Mais da Apelmat
A REPRESENTAÇÃO SINDICAL E SEU CUSTEIO
A REPRESENTAÇÃO SINDICAL E SEU CUSTEIO

I - O SISTEMA SINDICAL BRASILEIRO “´É, MAS NÃO É” O sistema...

COMO SERÁ 2019? VEJA AS PERSPECTIVAS PARA O SETOR DE LOCAÇÃO
COMO SERÁ 2019? VEJA AS PERSPECTIVAS PARA O SETOR DE LOCAÇÃO

Há uma sensação de otimismo, em especial por parte das empresas de locação...

SETOR PRIVADO GERA MAIOR DEMANDA POR MÁQUINAS
SETOR PRIVADO GERA MAIOR DEMANDA POR MÁQUINAS

Enquanto governo tenta destravar 14.403 obras paralisadas, setores de mineração, agropecuário...