Inédita no Brasil, Lei Geral de Proteção dos Dados Pessoais entra em vigor em 2020

Inédita no Brasil, a Lei n.º 13.709/2018, que trata da proteção dos dados pessoais, foi sancionada em agosto deste ano e define as situações em que essas informações podem ser coletadas e usadas. Inspirada na Regulamentação Europeia de Proteção de Dados (GDPR), que entrou em vigor em maio deste ano, a nova legislação elevou o País a um patamar compatível com as demais leis internacionais sobre proteção de dados. A nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) define como dado pessoal sensível aqueles que se referem à origem racial ou étnica; convicção religiosa; opinião política; filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político; e saúde ou vida sexual, além de dado genético ou biométrico. A lei exige consentimento específico para coleta e tratamento desses dados, assim como o tratamento de dados de crianças e menores de idade. A norma se aplica a todas as pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que realizem a coleta e o tratamento de dados de cidadãos no território nacional, tanto de forma física quanto nos meios digitais. Entretanto, a lei não se aplica ao tratamento de dados realizado por pessoa física exclusivamente para fins particulares e não econômicos ou para fins exclusivamente jornalísticos, artísticos, acadêmicos e pelo Poder Público para segurança e defesa nacional. Antes da LGPD não existia no Brasil uma legislação específica sobre proteção de dados pessoais. A matéria era regulada por algumas leis esparsas (Código de Defesa do Consumidor, Lei do Cadastro Positivo, Lei de Acesso à Informação e outras) e pelo chamado “Marco Civil da Internet” e seu decreto regulamentador (Lei n.º 12.965 e Decreto n.º 8.771/16), que estabeleceu princípios e garantias para o uso da internet no Brasil, bem como requisitos mínimos para tratamento e proteção de dados pessoais. A nova lei inova em alguns aspectos, como a criação da figura dos agentes de tratamento, que são respectivamente o controlador (responsável pelas decisões referentes ao tratamento de dados pessoais) e o operador (aquele que realiza o tratamento de dados em nome do controlador). Enquanto o controlador – que geralmente será a empresa gestora dos dados – deverá indicar um funcionário encarregado pelo tratamento de dados, o operador pode ser contratado para responder pelo tratamento e gestão dos dados coletados. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a nova legislação aumenta a segurança jurídica no País e, consequentemente, o potencial para estimular investimentos, melhorando o ambiente de negócios e o desenvolvimento econômico em longo prazo. No projeto original do Senado, constava no texto a criação de dois órgãos: a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e o Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade. No entanto, essas instituições deixaram de ser aprovadas quando a lei foi sancionada. Ainda assim, o governo federal deve editar uma nova lei de autoria do Poder Executivo com o objetivo de criar os órgãos reguladores. Fiscalização e sanções A Nova Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor em fevereiro de 2020, e a infração das normas previstas resultará nas seguintes sanções: *Advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas; *Multa simples, de até 2% do faturamento da pessoa jurídica, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício, excluídos os tributos. Essa sanção é limitada ao valor de R$ 50 milhões por infração; *Multa diária, observado o limite total a que se refere o item anterior; *Divulgação pública da infração após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência; *Bloqueio dos dados pessoais a que se refere a infração até a sua regularização; *Eliminação dos dados pessoais a que se refere a infração; *Suspensão parcial ou total do funcionamento do banco de dados a que se refere a infração pelo período máximo de seis meses, prorrogável por igual período, até a regularização da atividade de tratamento pelo controlador; *Suspensão do exercício da atividade de tratamento dos dados pessoais a que se refere a infração pelo período máximo de seis meses, prorrogável por igual período; *Proibição parcial ou total do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados. As sanções devem ser aplicadas após procedimento administrativo que possibilite a oportunidade de defesa e devem ser aplicadas de acordo com critérios como gravidade e natureza das infrações; boa-fé do infrator, vantagem auferida ou pretendida; condição econômica do infrator; reincidência da prática; e grau do dano. Fonte: www.fecomercio.com.br/noticia/inedita-no-brasil-lei-geral-de-protecao-dos-dados-pessoais-entra-em-vigor-em-2020
Mais da Apelmat
Prorrogação do prazo para cadastramento na Amlurb
Prorrogação do prazo para cadastramento na Amlurb

198/19   12/07/2019 Prorrogação do prazo...

3ª Biosphere World
3ª Biosphere World

Sr. Daniel Eurimilson relata resultado de reunião virtual das entidades nacionais
Sr. Daniel Eurimilson relata resultado de reunião virtual das entidades nacionais

O Sr. Daniel Eurimilson diretor da Escad, da Sobratema e da Analoc, relata neste vídeo o resultado...